TRANSLATE/TRADUTOR

segunda-feira, setembro 18, 2017

CRESCIMENTO DA CANDIDATURA DE BOLSONARO FAZ PSICOPATAS ESQUERDISTAS SAÍREM DO ARMÁRIO ENLOUQUECIDOS


Não há a menor dúvida sobre um fato: até agora não há nenhum pré-candidato à Presidência da República que supere o prestígio e a popularidade do deputado Jair Messias Bolsonaro. E à medida que o tempo corre célere em direção a 2018 os esquerdistas vão ficando cada vez mais nervosos e enlouquecidos, bem como seus agentes infiltrados na grande mídia.

O vídeo acima mostra esta realidade que, inclusive, coloca seriamente em risco a integridade física do presidenciável Jair Bolsonaro. O próprio deputado postou o vídeo em sua página do Facebook neste domingo, acrescentando apenas uma legenda: - Nossa saída após palestra na Universidade FUMEC em Belo Horizonte. - Quem são os intolerantes?

E nem precisa explicar muito. O vídeo fala por si só. Um grupelho de psicopatas esquerdistas tenta atacar o presidenciável e se não fosse o providencial policiamento teriam logrado seu intento.

Imaginem. Estamos ainda há um ano da eleição presidencial que ocorrerá em 3 de outubro de 2018 e os presidenciáveis listados nas pesquisas eleitorais ainda nem foram oficializados pelos seus partidos, coisa que ocorrerá só no próximo ano nas convenções partidárias obedecendo os prazos legais.

Notem, no entanto, que esses grupos esquerdistas estão cada vez menores.Os fatos que emergiram da Operação Lava Jato praticamente demoliram a agenda comunista e seus líderes. Nem o PT e muito menos seus satélites com todas as mortadelas do mundo conseguirão arregimentar mais do que meia dúzia de gatos pingados. Ainda assim, não se pode negligenciar ações desta natureza e líderes como Jair Bolsonaro necessitam de forte aparato de segurança.

O que fica cada vez mais evidente é que o prestígio de Bolsonaro cresceu de forma inaudita nos últimos meses, sobretudo quando a lama da corrupção e roubalheiras variadas inunda praticamente todos os principais partidos e já respinga em lideranças tradicionais.

Tal fato deixa os esquerdistas de todos os matizes completamente alucinados. Nunca na história política brasileira houve algo parecido como o que veio à tona por meio da Operação Lava Jato. Todos os principais partidos políticos estão lambuzados por esta lama, fato que levou o próprio deputado Jair Bolsonaro a permanecer sem partido. É um autêntico outsider, embora esteja em tratativas para ingressar no Patriotas, agremiação gerada a partir do nanico PEN.

Esta situação de limbo partidário de Bolsonaro é por si mesma surpreendente e não há registro histórico de situação política análoga, o que por si só dá a dimensão da liquidação total dos últimos resquícios dos valores morais e éticos pelos desgovernos de Lula e seus sequazes. Afinal, fica muito claro para todos os eleitores que a então suposta performance do PT foi construída essencialmente pela compra de apoio político de praticamente todos os partidos políticos e de todas as principais lideranças. E aí entraram de forma vergonhosa os grandes empresários e banqueiros.

O nível de rapinagem é inaudito e alcança todas as esferas da República, todos os partidos políticos, enfim, todo o aparelho estatal.

Nesse ambiente esgarçado e contaminado pela corrupção e roubalheira se ferirá o pleito presidencial de 2018. Por isso neste quadrante da história do Brasil, cada brasileiro honesto, trabalhador, estudante, emula o filósofo grego Diógenes que costumava andar pelas ruas de Atenas segurando uma lâmpada para encontrar um homem honesto.

Neste vídeo a visita de Bolsonaro a Florianópolis em maio/2017.

REALIDADE & CONSEQUÊNCIA
Por tudo isso, a performance de Jair Messias Bolsonaro não é um ponto fora da curva, uma surpresa. Ela é a realidade e consequência. E, como não poderia deixar de ser, incomoda muita gente. Sobretudo o esquerdismo delirante que até há pouco vinha sendo cevado com recursos do erário que irrigavam generosamente variadas bolsas, ONGs, institutos de pesquisa, think tanks esquerdistas, institutos políticos e, como não poderia deixar de ser, a grande mídia e os blogs da esgotosfera. Por cima e provisoriamente é isso que se sabe. 
Mas ainda têm os bancos estatais e agências de fomento seriamente rapinados.

No final não sobrou nada. Ou melhor, sobrou a conta para pagar. E, quem paga a conta? Ora, nós os trabalhadores, o povo em geral que de uma hora para outra viu a nossa moeda, o Real, brutalmente desvalorizado enquanto algo em torno de 14 milhões de empregos foram para o vinagre.

Face a tudo isso, Bolsonaro acabou se transformando realmente no Messias. Nenhum argumento derruba, portanto neste momento, a disposição popular de sufragá-lo como Presidente da República. O alvoroço e a agressão dos esquerdistas nestas alturas do campeonato só reforçam a candidatura presidencial de Jair Messias Bolsonaro.

Aliás, os demais candidatos pontuam nas pesquisas graças aos veículos da grande mídia e seus jornalistas engagés que quando não ignoram Bolsonaro cuidam de rotulá-lo com "fascista", de "extrema-direita" e até mesmo de "estuprador", ao mesmo tempo em que afagam Lula e os tucanalhas.

Compreende-se também o desespero dos ex-alegres rapazes e raparigas das redações. Devem enfrentar igualmente a crise dos caraminguás, turbinada pela ação corrosiva da internet que determinará o fechamento de grande número de empresas jornalísticas. Aliás, muitas já estão planejando o fim de suas edições impressas. O primeiro veículo da grande mídia a suspender sua edição em papel foi a tradicional Gazeta do Povo, do Estado do Paraná. Mas pelo que se vê, esse diário não se mudou apenas para a internet. Sentiu o cheiro de carne queimada e já alterou seu esquema editorial, se é que me entendem. Ao que parece está se dando bem e isso já é um alento.

Enquanto os cães ladram, a caravana de Bolsonaro vai passando célere rumo a 2018.

Sponholz: Fim de linha.

Clique sobre a imagem para vê-la ampliada

sábado, setembro 16, 2017

O FENÔMENO JAIR BOLSONARO QUE TODA A GRANDE MÍDIA NÃO CONSEGUE DERROTAR


De repente os institutos de pesquisa que vinham sondando quase semanalmente as tendências do eleitorado em relação à eleição presidencial de 2018 deram uma abrupta parada. 

Dos pré-candidatos à Presidência da República citados nessas pesquisas o único que está em campo sem parar é o deputado Jair Bolsonaro. Basta conferir em sua página do Facebook. Exemplo disso é sua recente visita a Minas Gerais onde foi carregado nos ombros de eleitores como registra o vídeo acima. E essa cena vem se repetindo há meses, embora Bolsonaro seja simplesmente desprezado pela grande mídia que quando essa se reporta ao parlamentar pré-candidato presidencial.

Basicamente Jair Bolsonaro se vale apenas das redes sociais como Facebook e Twitter e, mesmo assim, mobiliza muita gente em ruidosas manifestações em seu favor em todos os lugares onde aparece.

E, quando os jornalistas e demais políticos se reportam a Bolsonaro é apenas para confiná-lo na "extra-direita" do espectro político.

Como a esmagadora maioria dos jornalistas da grande imprensa perfila-se ideologicamente à esquerda em matérias, debates e/ou entrevistsa de abordagem política a escolha do entrevistador e/ou debatedor é sempre um político ou acadêmico que sustentará a narrativa que interessa à esquerda. E não titubeará em qualificar Jair Bolsonaro como político de extrema-direita, quando não lhe acusam de fascista, nazista e outros qualificativos análogos.

Entretanto, a última pesquisa de um desses institutos realizada no Rio Grande do Sul, tradicional reduto do esquerdismo bundalelê, apontou Bolsonaro em primeiro lugar. Daí em diante, as pesquisas sumiram do mapa.

Mas o que salta aos olhos é que por exemplo, o João Dória Jr., que é sim um dos candidatos presidenciais, ao invés de palmilhar o Brasil parece que faz campanha no exterior. Dia desses esteve na França e agora há pouco na Argentina. Bem antes, logo depois que assumiu a Prefeitura de São Paulo esteve no Oriente Médio no road-show para "vender São Paulo". 

De sorte que, por enquanto, quem tem evidente prestígio popular é Jair Bolsonaro, já que tem ido a diversas regiões do país onde tem sido recebido em calorosas recepções e carregado nos ombros dos eleitores.

Esta é a verdade dos fatos. E o mais incrível é que a rigor Jair Bolsonaro não dispõe de nenhuma máquina partidária. E isto, por si só, já é uma excelente pauta jornalística. Fosse Bolsonaro um político esquerdista, globalista e afinado com as teses bolivarianas estaria brilhando todos os dias no Jornal Nacional, enquanto os penas alugadas do esquerdismo - os ditos analistas políticos - se derramariam em louvaminhas a ele.

JUSTIÇA FEDERAL SOLTA REITOR DA UFSC E MAIS SEIS PRESOS EM OPERAÇÃO QUE INVESTIGA DESVIO DE RECURSOS DA UNIVERSIDADE

A Justiça Federal revogou nesta sexta-feira (15) a prisão temporária dos sete presos na Operação Ouvidos Moucos, da Polícia Federal, que apura desvio de recursos em cursos de Educação a Distância (EaD) oferecidos pelo programa Universidade Aberta no Brasil (UAB) na Universidade Federal de Santa Catarina. As prisões ocorreram na quinta-feira (14).
A juíza federal Marjorie Freiberger encaminhou o alvará de soltura ao presídio de Florianópolis e foram soltos às 20h48 desta sexta o reitor da universidade, Luis Carlos Cancellier de Olivo, e outros seis funcionários da universidade : Marcos Baptista Lopez Dalmau, Gilberto de Oliveira Moritz, Roberto Moritz da Nova, Rogério da Silva Nunes, Eduardo Lobo e Marcio Santos.
Na decisão, a juíza afirma que "a prisão é medida extrema, de ultima ratio, que demanda fundamentos sólidos o suficiente para superar a garantia constitucional de ir e vir. No presente caso, a delegada da Polícia Federal não apresentou fatos específicos dos quais se possa defluir a existência de ameaça à investigação e futuras inquirições. Com o cumprimento das medidas, o fundamento para a outorga da prisão temporária para assegurar a eficácia das diligências requeridas e deferidas deixou de existir. Por isso, está ausente o requisito para a manutenção da prisão".
Em nota, a Polícia Federal afima que "ao contrário do que consta da r. decisão, não foi isso o que pleiteamos, qual seja, que os presos fossem liberados após seus interrogatórios, fosse este o caso, teríamos representado apenas pela sua condução coercitiva".
"Deixamos claro ao d. Juízo por ocasião da representação que os elementos colhidos no cumprimento das medidas e nos dias que se seguissem poderiam indicar a necessidade da prorrogação da temporária ou conversão em preventiva, que pleitearíamos ao d. Juízo se assim entendêssemos ser o caso", continua a nota.
A Ordem dos Advogados do Brasil em Santa Catarina (OAB/SC) se manifestou por nota sobre as prisões: "a Seccional Catarinense da Ordem dos Advogados do Brasil vem externar a sua preocupação com o uso cada vez mais freqüente e rotineiro de medidas restritivas de liberdade para fins de investigação criminal, antes de instaurado o devido processo legal e o contraditório". Do site G1

Sponholz: Casca de banana.

Clique sobre a imagem para vê-la ampliada

sexta-feira, setembro 15, 2017

UM ESCORPIÃO NUMA RODA DE FOGO


O texto quer segue é a íntegra do artigo de Nelson Motta no jornal O Globo, intitulado "O Inverno do Patriarca". Diz respeito às últimas peripécias de Lula perante o Juiz Sérgio Moro. Motta compara Lula a um escorpião anotando que "ele ama o poder, a glória e a boa vida e nunca teve vocação para mártir, embora na astrologia seja do signo do escorpião, que, cercado pelo fogo, prefere ferroar a si mesmo a se entregar." Leiam:
Lula diz que prefere a morte a entrar para a história como um mentiroso. Mas essa é uma de suas maiores mentiras.
Ele ama o poder, a glória e a boa vida e nunca teve vocação para mártir, embora na astrologia seja do signo do escorpião, que, cercado pelo fogo, prefere ferroar a si mesmo a se entregar.
Ainda há uma questão semântica: as bravatas, em que ele é mestre, tecnicamente, são consideradas mentiras ou exageros? Há controvérsias.
Lula aprendeu com Dilma, ou ela com ele, a chamar de “querida” (com aspas) quem lhe faz perguntas incômodas. Em Curitiba, ele foi advertido porque insistia em chamar de “querida” a procuradora que o interrogava, mas não chamava de “querido” os procuradores machos. E sempre se referia a sua mulher, sua verdadeira querida, como “Dona” Marisa, a responsável pela administração da família.
Em 2009, Ali Kamel publicou o “Dicionário Lula — um presidente exposto por suas próprias palavras”, uma compilação de 672 páginas com o que Lula disse sobre os mais diversos temas, sem correções, direto da fonte.
O verbete “Discurso” tem muitas citações, algumas premonitórias: “Um dia vão ganhar dinheiro pela quantidade de discursos que eu faço todos os dias. Eu ficaria milionário”.
No dicionário, ele se revela um personagem riquíssimo e contraditório, ou como ele mesmo reconhece, uma metamorfose ambulante. Imaginem de lá para cá! Esperamos um volume 2.
Um de seus clássicos é dizer que aprendeu com sua mãe a não abaixar a cabeça para ninguém. Mesmo quando está errado, não reconhece seus erros e nem se responsabiliza por eles. Pedir desculpas, nem pensar. Mas ele vive dizendo a juízes, delegados e procuradores que espera que eles lhe peçam desculpas um dia.
Ao contrário do sucesso do filme da Lava-Jato, “Lula, o filho do Brasil” foi um fracasso retumbante nos cinemas, contando a sua infância e juventude. Mas um filme com o resto da sua história até hoje certamente seria um sucesso. O problema é que um roteiro factual, documental, contando fielmente a sua história, seria recusado por qualquer produtora do mundo, por fantasioso e inverossímil. 

Sponholz: Momentos de desespero.

Clique sobre a imagem para vê-la ampliada

quinta-feira, setembro 14, 2017

REITOR, COORDENADORES E CHEFE DE DEPARTAMENTO ENTRE OS PRESOS SUSPEITOS DE DESVIO DE VERBAS NA UFSC

Área central do campus da UFSC em Florianópolis.
A Justiça Federal retirou o sigilo do processo que investiga desvio de recursos de cursos de Educação a Distância (EaD) oferecidos pelo programa Universidade Aberta do Brasil (UAB) na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Os nomes dos sete presos temporariamente e dos cinco conduzidos coercitivamente foram divulgados (veja mais abaixo). Entre os presos, todos da UFSC, está o reitor da universidade, Luiz Carlos Cancellier de Olivo.
Entre 2006 e 2017, foram repassados R$ 80 milhões para o programa. O valor desviado ainda é investigado na operação, batizada de Ouvidos Moucos.
Pouco antes das 17h30, a Polícia Federal informou que os presos estavam sendo levados para a Penitenciária Masculina de Florianópolis. O G1 procurou a defesa de todos os citados no inquérito, mas só conseguiu contato com a defesa do reitor até a última atualização desta notícia.
A advogada de Cancellier, Nívea Dondoerfer Cademartori, informou ao G1 pouco antes das 16h30 que o reitor ainda se encontrava “nas dependências da Polícia Federal. Ele foi ouvido hoje pela manhã em depoimento longo, que terminou pouco depois das 14h. Ele esclareceu tudo o que foi perguntado pelos policiais federais”.
“A defesa só está aguardando mesmo a liberação do sigilo para ter acesso ao teor dos autos. Ainda hoje a defesa pretende fazer o pedido de soltura. Ele realmente não está envolvido em nenhum ato ilícito”, disse a advogada.
Presos atuam na UFSC
Conforme o inquérito policial, todos os presos são funcionários da UFSC, em cargos de secretários a chefe de departamento. Pela manhã, foi divulgada a prisão do reitor da unidade por suspeita de interferência no barrar a investigação interna, segundo a Polícia Federal.
Entre 2006 e 2017, foram repassados R$ 80 milhões para o programa. O valor desviado ainda é investigado. "É uma investigação em andamento, não é um processo de culpa formada", afirmou o reitor em exercício da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Rogério Cid Bastos, que assumiu o comando da instituição.
De acordo com o despacho da 1ª Vara Federal de Florianópolis, a investigação teve início no Projeto Universidade Aberta do Brasil, de âmbito nacional, que tem contrato com a Fundação de Amparo à Pesquisa e Extensão Universitária (Fapeu), que é da UFSC. São seis cursos de EaD oferecidos na universidade.
Entre os pontos investigados estão uso de verba do programa para serviços de locação de veículos, hospedagem e diárias superfaturadas, bem como cotações de orçamento com supostas empresas fantasmas (veja indícios investigados mais abaixo).
Foram presos temporariamente:
  1. Luis Carlos Cancellier de Olivo - reitor da UFSC
  2. Marcio Santos - coordenador curso EaD em Física
  3. Marcos Baptista Lopez Dalmau - secretário de Ead
  4. Rogério da Silva Nunes - coordenador do Núcleo UAB e previamente coordenador do EaD em Administração
  5. Gilberto de Oliveira Moritz - coordenador do LAB Gestão
  6. Eduardo Lobo - chefe do departamento de Ciências da Administração
  7. Roberto Moritz da Nova - Funcionário celetista da Fapeu
Foram levados para depoimento em condução coercitiva
  1. Rene Balduino Sander - professor aposentado
  2. Erves Ducati - sub-chefe do Departamento de Ciências Contábeis;
  3. Sonia Maria Silva Correa de Souza Cruz - professora
  4. Murilo da Costa Silva - proprietário da S.A. TOUR
  5. Aurélio Justino Cordeiro - apontado como proprietário da Ilha dos Açores Turismo
O advogado de Erves Ducati, André Kincheski, afirmou que ainda não teve acesso à investigação, mas que “não houve nada de irregular durantes os trabalhos dele na UFSC”. Erves Ducati foi ouvido pela PF e liberado. O G1 não conseguiu contato com os demais citados, fora o reitor.
Fraudes
No esquema, foram identificadas cotações de preços feitas por empresas de fachada, de acordo com a PF. Entre as provas, estão notas de três agências de turismo para a locação de um carro, todas as três com grafia semelhante. Conforme o inquérito, “os orçamentos igualmente apresentam o mesmo formato, inclusive com erros idênticos, evidenciando um "copia e cola" em relação ao orçamento.”
É o caso da palavra "Blumenau", que aparece com o mesmo erro de grafia em orçamentos de diferentes agências de turismo.
Além disso, a Polícia Federal apura casos de ausência de editais em processos seletivos para tutores e professores, de beneficiários de bolsas da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) com profissões incompatíveis com as bolsas recebidas ou que possuem relacionamento com outro bolsista.
Carteiro e motorista com bolsa Capes
Conforme o inquérito, um carteiro recebeu uma bolsa Capes de R$ 9 mil, mesmo valor que recebeu uma pessoa com a função de armazenista e um motorista de carro de passeio. Um atendente de agência recebeu R$ 8 mil e um operador de telemarketing técnico, R$ 6 mil.
Nota da Capes
Em nota, a assessoria da Capes afirmou que a atual gestão assumiu em junho de 2016 e em maio deste ano "tomou conhecimento pelo corregedor da UFSC sobre denúncias na referida instituição. A Capes solicitou acesso à apuração, mas não obteve resposta da corregedoria daquela universidade".

"Ao tomar conhecimento da existência de uma investigação no programa de bolsas da UFSC, a presidência da Capes determinou, imediatamente, a estruturação de uma comissão para acompanhar o programa com visita no local e solicitação de documentação complementar. Do site G1/Rede Globo

ESCRITOR CATARINENSE RADICADO NO RIO DE JANEIRO LANÇA LIVRO EM BLUMENAU SOBRE REPRESSÃO AOS ALEMÃES NA ÉPOCA DO NAZISMO

O escritor Jorge Roberto Zimmermann lança nesta quinta-feira, 14 de setembro em Blumenau, seu livro intitulado “Serei preso só por falar alemão?”, a partir das 19 horas, na Fundação Cultural de Blumenau, na Rua XV de Novembro, 161.
O livro de Zimmermann mistura realidade e ficção sobre os eventos ocorridos em Santa Catarina depois que foi desencadeada uma operação para desbaratar células nazistas principalmente nas regiões que concentravam imigrantes alemães. Isso se passou nos anos 30 e 40 do século passado.
Descendente de família alemã Zimmermann transferiu-se para o Rio de Janeiro em 1967, para servir o Exército e acabou ficando onde vive até hoje, embora seus familiares e parentes em maioria vivam em Santa Catarina.
Quando criança e adolescente Zimmermann viveu em Gaspar e Joinville, duas cidades marcadas pela presença da imigração alemã. Gaspar é um município ligado a Blumenau. Ambas as cidades, Joinville e Blumenau são dois centros industriais importantes e isso se deve em grande parte à imigração alemã. Zimmermann ouviu muitas histórias sobre a campanha de nacionalização desencadeada durante o Estado Novo de Getúlio Vargas. Hoje gozando o otium cum dignitate, decidiu pesquisar o assunto, o que deu origem a este livro que mescla realidade e ficção.
O personagem central da história é o poderoso Lindolfo, um alemão que fez fortuna e amigos e protegeu muitos alemães e seus descendentes acossados pela polícia por suspeitas de ligações com o nazismo. 
Serei preso só por falar alemão?”, é o quarto livro de Zimmermann que já escreveu um sobre sua família, "Nós os Zimmermann" e dois romances "Shermann, o pescador" e "Bruna".

quarta-feira, setembro 13, 2017

TCHAU, LULA. VOCÊ NÃO ENGANA MAIS NINGUÉM.

A verdade é que ninguém está mais interessado em saber de Lula. Prova disso é o número de pessoas no convescote que os petralhas armaram em Curitiba para a falação de Lula após ser ouvido pelo Juiz Sérgio Moro no rumoroso processo envolvendo a compra de terreno para o tal Instituto Lula.

Há pouco, a rádio CBN da Rede Globo transmitia de Curitiba, quando o locutor do programa da tarde, Roberto Nonato, em diálogo com o repórter durante a cobertura do convescote lulístico, tentou dar uma incrementada no ato, indagando de forma afirmativa: "Deve haver muita gente aí". Ao que o repórter respondeu:  "É... no máximo umas duas mil pessoas...".

Levando-se em consideração que Curitiba está entre as capitais mais populosas do Brasil, com mais de 3 milhões de habitantes em sua área metropolitana e cerca de 2 milhões só no município da capital, 2 mil pessoas num evento de rua é um público minúsculo. E, para tanto, conforme foi noticiado, o PT mobilizou gente do interior do Estado.

Isso dá uma dimensão do suposto prestígio de Lula e seus sequazes. Afinal estavam lá além do indigitado ex-presidente figuras graúdas do universo petista. Somando-se tudo isto o resultado é zero para o prestígio do PT e isso haverá de se revelar de forma retumbante nas eleições de 2018 que será um pleito presidencial e parlamentar em nível federal, isto é, com a eleição para a Câmara Federal e parte do Senado.

Aliás, as últimas eleições municipais já demonstraram o ânimo dos eleitores quando o PT foi praticamente esmagado em nível municipal, tanto no que concerne ao Executivo como também ao Legislativo. Leve-se em consideração que muito do que se sabe agora sobre a Organização Criminosa que começou com o mensalão desembocando no petrolão é muito mais do que se sabia na última eleição municipal.

Não sai da cabeça dos brasileiros o estouro do cafofo de Geddel Vieira, com aquelas malas e caixas cheias de dinheiro somando mais de R$ 52 milhões de reais. No Youtube há uma cena incrível, quando Lula tece rasgados elogios a Geddel Vieira, num vídeo que viralizou nas redes sociais, enquanto uma equipe especial montada pela Polícia Federal levou um dia inteiro para contar a dinheirama encontrada em poder de Geddel Vieira, que Lula então citara como uma pessoa impoluta e de alta capacidade.

Lula por sua vez, que vive arrotando que tem o prestígio e o apoio popular preferiu viajar a Curitiba de automóvel para evitar aeroportos. Desta feita, seu amigão e seu ex-ministro Walfrido dos Mares Guia parece que não cedeu o seu super jato Gulf Stream. Mares Guia era um professor e hoje é dono do maior complexo universitário particular do Brasil.

De forma ligeira, os fatos que anotei até aqui constituem indicadores de que Lula, o PT e seus satélites esquerdistas já desmoronaram. Mas não só esse ajuntamento de psicopatas está liquidado. A eles juntam-se o PSDB, PMDB, PP e o resto dos nanicos criados para tungar o vergonhoso fundo partidário. Toda essa gente, com destaque para o PSDB, foi para o vinagre. Não há marketing, não há marqueteiro, não há nada que possa limpar a lama da corrupção e da roubalheira que cobre toda essa gente, incluindo aí o dito "príncipe dos sociólogos", o Fernando Henrique Cardoso mais seus áulicos que impediram o impeachment de Lula no episódio do mensalão.

Mas o que mais inquieta toda essa gente é o crescimento impressionante da pré-candidatura presidencial do deputado Jair Messias Bolsonaro. Tanto é que os institutos de pesquisa que viviam sondando os humores do eleitorado de repente se recolheram. Há alguns meses saíam pesquisas quase quinzenais. Em todas elas Lula liderava. Hoje, Lula não conseguiu colocar 2 mil pessoas para ouvi-lo. 

A sobrevivência claudicante de Lula deve-se exclusivamente aos jornalistas da grande mídia, com raríssimas exceções esquerdistas de carteirinha. O povo brasileiro está quieto sim, mas está vendo tudo. Anotem aí.

ACUSADOS DE MANIPULAR O MERCADO FINANCEIRO OS IRMÃOS AÇOUGUEIROS AGORA ESTÃO JUNTOS NA CADEIA

Os irmãos Wesley e Joesley Batista agora dividem a cela na cadeia.
À medida em que o tempo passa os fatos vão se impondo e implodindo as narrativas construídas pela picaretagem esquerdista que infesta as redações da grande mídia. Mas não se espantem se Heródoto Barbeiro convocar tipos como Ricardo Kotcho e Nirlando Beirão para formular análises políticas na televisão. 

Ou ainda a Folha de S. Paulo publicar com ares de verdade absoluta toda aquela empulhação mentirosa e a Globo News exibir os seus comentaristas políticos com cara contrita, olhos arregalados e trejeitos variados manifestando surpresa com a operação da Polícia Federal que prendeu nesta quarta-feira mais uma penca de ladrões e corruptos que são os frutos podres que proliferaram de forma acelerada a partir do momento em que a vagabundagem esquerdista subiu a rampa do Planalto junto com Lula e seus asseclas.

Será uma quarta-feira movimentada. Segundo consta, Lula viajou a Curitiba para ser inquirido pelo Juiz Sergio Moro de automóvel. Quem sabe o jatinho de seu amigo e rei do sistema de ensino privado Walfrido dos Mares Guia está em manutenção... A opção de Lula em viajar de carro é mais um indicativo de que não tem mais condições de encarar um aeroporto e um avião de carreira. Algo que não bate com as pesquisas eleitorais.

Aliás, os ditos institutos de pesquisa deram um parada nas sondagens sobre os presidenciáveis, coincidindo com o vertiginoso crescimento da candidatura do presidenciável Jair Bolsonaro.

O noticiário político-policial está em todos os sites noticiosos. Mas transcrevo um resumo da ação da Polícia Federal do site Diário do Poder, até para ficar registrado aqui no blog:

A Polícia Federal prendeu o empresário Wesley Batista, um dos donos da J&F, na manhã desta quarta-feira (13). O executivo, irmão de Joesley Batista, é investigado em inquérito sobre manipulação do mercado financeiro, referente ao suposto lucro obtido com a venda de dólares às vésperas da divulgação da delação premiada dos executivos da J&F. A ordem de prisão preventiva, sem prazo para acabar, é da 6ª Vara Federal Criminal de São Paulo, numa operação batizada de Tendão de Aquiles.
Ao pedir a prisão, os investigadores sustentam haver fartas provas de que Joesley e Wesley, sabendo do potencial explosivo do acordo de delação e de seus efeitos no mercado, agiram pessoalmente negociando ações do grupo e contratos futuros de dólares.
Também há outro mandado de prisão contra o próprio Joesley, que já está preso temporariamente, em outro processo, junto ao lobista Ricardo Saud, por ordem do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal.
Estão entre os investigados na operação deflagrada nesta manhã estão o diretor jurídico da JBS, Francisco de Assis e Silva, a advogada Fernanda Tórtima, contratada pela empresa, e o ex-procurador da República Marcello Miller, que integrou o grupo de trabalho montado para auxiliar o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, na Lava-Jato.
A JBS, seus controladores e outras empresas do grupo são investigadas por uso de informação privilegiada. A JBS confirmou que comprou dólar no mercado futuro horas antes da divulgação de que seus executivos fizeram delação premiada. O dólar disparou no dia seguinte, subindo mais de 8%, o que trouxe ganhos a empresa.
Na investigação sobre uso de informação privilegiada pelos donos da JBS, os policiais colheram indícios de que os irmãos Batista cooptaram Marcello Miller quando ele ainda integrava o Ministério Público Federal. Pela parceria, Miller e os irmãos Joesley e Wesley Batista são investigados pelo crime de corrupção. 

Sponholz: A verdade é a verdade.

Clique sobre a imagem para vê-la ampliada